Saturday, November 2, 2013

Fui...

"Lights will guide you home
And ignite your bones "

A calmaria após a tempestade se estendeu pelas semanas seguintes. Isso me permitiu aprender a aproveitar o sol branco brilhante que tarde se poe no verão europeu. Em uma vida sem prazos, chefes ou relatórios a entregar, ir tomar um café com bolo em uma quarta-feira qualquer com as amigas se tornou rotina. Passeios pelo shopping e piscina também. 
Para alguém que havia passado os últimos dez anos da vida sentada na companhia de Gaus, Navier-Stokes e outros físicos famosos dos meus livros de estudo, experimentar uma vida com mais graus de liberdade era um imenso prazer. 
Não demorou muito para que eu começasse a viver na Alemanha de acordo com o fuso-horário brasileiro. Acordar mais tarde, ir correr no parque na hora do almoço, e fazer um ótimo uso das restantes horas do dia (e noite).
Mas o excesso de liberdade e falta de uma direção concreta para onde seguir logo deram lugar a uma sutil melancolia. Esta arranjou lugar para se fixar bem junto as minhas dúvidas já existentes e fez aumentar consideravelmente as incertezas que estavam mascaradas pelo entretenimento do momento presente. 
1001 perguntas eu tinha para fazer para Deus e repetia as minhas preces com mais intensidade a cada manhã.  
Os efeitos colaterais de uma vida mais intensa, os meus questionamentos e logo uma gripe daquelas, foi o suficiente para me segurar na cama por uma semana. 
O nariz escorre, a garganta dói e o som no máximo. Sim, pois meu prezado companheiro de republica não se importa que alguém esteja doente em casa e decide dar uma festa. Na manhã seguinte, as garrafas vazias e pedaços de frutas se espalhavam pelo apartamento.
Este foi um daqueles momentos da vida, em que as circunstancias nos proporcionam uma certa quantidade de raiva, mas uma raiva boa, que nos da forças para levantar de uma situação irritantemente provisória.
Vesti um tênis confortável, coloquei a mochila nas costas, e fui de trem em busca das minhas respostas. 
Na pressa, saí correndo e acabei esquecendo a gripe em alguma esquina do bairro, porque ela misteriosamente não me acompanhou até a estacão... 

16 comments:

  1. Oi Dé!!!

    Como dizia Albert Einstein... "Tudo acontece na hora certa. Tudo acontece, exatamente quando deve acontecer." Sei que Deus também impõe suas interferências, haja visto que muitas coisas acontecem independente de nossa vontade ou escolhas. Adorei a sua nova foto do perfil!!!
    Bjs :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Exatamente, Bia...Einsten nos trouxe uma nova compreensao do tempo! Obrigada :)
      bjsss

      Delete
  2. , recebi seu comentário lá e vim correndo para cá. Seria a amiga Débora (doida pelo trabalho?)?! Pois não é que era mesmo! Que gostoso poder me comunicar com você de novo. Como colegas de profissão, passei pelo mesmo que você e o efeito colateral de se trabalhar num ritmo mais de acordo com pessoas normais (rs...rs) e deixar a correria , é a dor no peito, a dor de cabeça, o resfriado,..., até a gente se acostumar que viver, além de trabalhar, é também CONVIVER. É ir ao cinema com a turma, ir ao Shopping, colocar a mochila nas costas e sair sem lenço e sem documento num sol de quase dezembro...
    Fico feliz porque você já percebeu isso e também se colocou nas mãos de Deus. Ele ama tanto a gente que provoca essas coisas poque somos obras inacabadas que precisam fazer muitas coisas boas por aqui (boas para Ele e não para os nossos chefes, kkk!).
    Volte sempre lá no Óbvio. Estarei sempre por aqui. Vou tentar seguir seu blog por e-mail porque sai do Blogger e estou no WordPress (para aprender uma extensão de linguagem HTML). Adorei "ver" você. ;)
    Beijo no seu coração,
    Manoel - Blog do Óbvio

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá Manoel,
      sou eu mesma, tentando voltar a blogosfera...
      preferi continuar no Blogger mesmo... pela rapidez...
      bjsss

      Delete
  3. Às vezes, a gente não entende o porquê das incertezas, mas o tempo ajuda a trazer as respostas... em breve essa ida te levará ao sucesso, Engenheira Dé. Gostei da nova foto. ;) beijinhos e lindo final de semana.

    ReplyDelete
  4. Dé, cheguei no seu blog tentando entender quem vc é. Até agora esse foi o único post que li e olha, não sei quem é a menina por detrás desse blog, só sei que ela parece estar vivendo um momento muito parecido ao meu. Calmaria demais, liberdade demais, melancolia demais, respostas de menos... Me atenho à sabedoria popular: tudo na vida é passageiro, menos o motorista e o cobrador.

    Beijo

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Paula,

      hehe boa essa.. gostei!

      bjsss

      Delete
  5. Oi Dé...
    Essas idas e vindas são importantes para solidificar as certezas.
    Os momentos soltos e descomplicados trazem consigo a leveza... Leveza que a gente precisa pra sentir que o prumo está correto.
    Bjo
    Márcia

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Márcia,
      Leveza é uma palavra chave nesse momento...
      bjsss

      Delete
  6. Olá Dé... chegando aqui e tentando me ambientar. Pensamentos, emoções e incertezas. Tudo junto e misturado, mas que traduzem muito bem o que é a chegada a um país estranho, o processo de adaptação e o desafio de uma nova vida. Pois é, essa vida de expatriado mexe com a gente.
    Beijos.

    ReplyDelete
    Replies
    1. pois é, já é minha "terceira vida" de expatriada... kkk tentando ainda me adaptar a constante mudanca...
      bjsss

      Delete
  7. Isso é uma coisa que nunca sai de dentro de quem já morou fora. Já passei por isso antes e ainda passo por isso hj, em lugares diferentes, circunstâncias diferentes.

    Kisu!

    ReplyDelete
    Replies
    1. realmente... nunca muda neh?
      bjsss

      Delete
  8. acho que vc só se supera nesses posts... será que foi uma infância regada à muito espaço para imaginação que te fez ser essa "reflexora" de uma delicadeza tão linda? amei muito o texto!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. hahah pode ser... a minha infancia nao faltou espaco para criatividade
      obrigada sis,
      bjsss

      Delete